Portal NOticias de Uruçui

Hibisco
Estádio Albertão lotado no PI

Botafogo-SP empata em Teresina e leva titulo da Série D do Brasileirão

Publicada em 16 de Novembro de 2015 às 09h09


Albertão se calou (Foto Magno Bonfim/Drone/TV Clu) Albertão se calou (Foto Magno Bonfim/Drone/TV Clu) O cenário e a festa estavam montados. Os personagens chegavam aos milhares para dar ritmo e vibração àquela que seria a primeira conquista nacional do futebol piauiense. O sábado, 14 de novembro de 2015, não foi um dia comum em Teresina. Ao contrário das tardes pouco movimentadas de um fim de semana normal, essa foi bem diferente. A decisão do Campeonato Brasileiro da Série D, entre River-PI e Botafogo-SP, mudou a rotina da cidade e arrastou mais de 40 mil pessoas empolgadas ao Albertão.

» Siga-nos no Twitter
» Participe da comunidade no Orkut

Horas antes do início da decisão, os acessos ao Gigante da Redenção já estavam abarrotados de torcedores, diga-se, de riverinos ou de piauienses que conseguiram colocar as rivalidades locais de lado e viraram riverinos. A alegria pelo momento indelével do futebol piauiense era contagiante: o que se via eram rostos alegres e confiantes no triunfo do Galo Carijó. Na chegada ao estádio, os personagens eram os mais diversos, no entanto todos levavam em comum a torcida pelo River-PI.

O tradicional rádio de pilha esteve colado ao ouvido de muitos torcedores. Eram incontáveis os que chegavam ao estádio com o aparelho. Ninguém queria perder um detalhe. Se o futebol do Piauí demorou tantos anos para viver um momento tão especial, como receber uma final de Campeonato Brasileiro, então nada podia passar despercebido. Andando pelas arquibancadas, era comum ouvir mesmo em meio ao barulho ensurdecedor da multidão a narração contagiante dos rádios colados aos ouvidos de alguns torcedores.

A alegria era tanta que até torcedores do Flamengo-PI foram dar aquela força ao Galo. Hum... Isso soa até meio estranho, mas... O aposentado Celso Dantas, cadeirante há nove anos, não mediu esforços para ir ao estádio torcer para o rival local. E ainda foi com a camisa do Fla-PI.

- O River hoje é o Piauí. Temos que torcer para o futebol piauiense sempre se dar bem. A rivalidade é apenas no campeonato piauiense ? disse ele, que assistiu à partida de um espaço destinado a cadeirantes.

A proeza do River-PI na temporada 2015 também conseguiu levar de volta famílias ao Albertão. Era impossível contabilizar os pais que levaram os filhos para ver o jogo na maior praça esportiva do Piauí. A criançada foi, sem dúvida, uma das mais bonitas cenas que se viu no estádio. Percorrendo os setores das arquibancadas, sempre se avistava pais com os filhos pequenos nos ombros, algo que evidencia o surgimento de uma nova geração de torcedores de um futebol que viveu momentos difíceis nos últimos anos.

No meio das arquibancadas lotadas, andar não era uma tarefa fácil. Dar um passo em algumas partes do estádio era tão difícil quanto tirar a alegria dos 40 mil riverinos que foram assistir ao jogo. Isso, apenas o Botafogo-SP foi conseguindo... Batucadas, hino cantado, provocação ao Bota-SP, selfies aos montes. Tudo isso, aos poucos, foi se transformando em aflição quando o jogo passava da segunda metade do segundo tempo, e o 0 a 0 dava o título ao time paulista.

Daí em diante, viu-se uma multidão que mesclava um misto de apoio ao time e uma apreensão impossível de não ser percebida. Gente roendo unhas, olhos arregalados e cobranças para que o técnico Flávio Araújo mexesse na equipe. Pena que ele demorou. Quanto mais se aproximava o fim da partida, o clima de apreensão crescia e pairava sobre o Albertão. Aguerrida, a torcida tentava não desanimar e ainda soltava o grito de ?eu acredito?. O 0 a 0 consagrava o Bota-SP como campeão. Era preciso, então, apoiar os soldados riverinos que batalhavam no gramado do Albertão e ao longo da Série D.

Quando o jogo passava dos 40 minutos, alguns começavam a enxergar a possibilidade da festa piauiense não acontecer no Albertão após o apito final. Mesmo mantendo as esperanças de um gol salvador do tricolor ? quase Eduardo fez aos 49 ? alguns torcedores comentavam entre si e reconheciam que o Botafogo-SP não tinha chegado ali por mera sorte. Aflitos com o placar desfavorável, eles deram o braço a torcer. Alguns cantaram, aplaudiram, choraram... Outros foram embora antes do derradeiro vice-campeonato. Albertanazo? Sim, pela taça escapando pelos dedos dentro de uma casa com 40 mil pessoas. Albertanazo? Não, pelo momento histórico vivido.

FESTA PARA OS OUTROS
Eles chegaram ao Albertão escoltados pela polícia e vaiados pelos riverinos. Dos 40 mil torcedores que preencheram as arquibancadas do estádio, menos de 50 vieram dar forças ao Pantera de Ribeirão Preto. Passaram o jogo inteiro em uma área no anel superior do estádio, onde tinham visão privilegiada [e talvez assustadora] da multidão de riverinos que torcia de forma antagônica ao tricolor do interior paulista.

O som dos botafoguenses não se ouviu no Albertão. Os poucos que percorreram mais de 2.600 km até o Piauí se dizem apaixonados pelo Pantera. Para eles, só o amor faz acompanhar o time em qualquer ocasião e, por isso, não se intimidaram em vir apoiar a equipe na casa do adversário.

Se o grupo de botafoguenses que veio ao Piauí era pequeno, menor ainda foi o grupo dos que conseguiram falar após a conquista do time. Muitos caíram no choro após o apito final. Era choro de alegria, choro de emoção, choro de campeão! Muitos dos poucos que vieram não conseguiram expressar o momento. ?Me desculpa, mas não dá para falar?, disse um torcedor recolhido solitário em uma cadeira. Bem que esse estilo de choro poderia ter sido nosso.

No fim, eles se abraçaram, ergueram uma faixa do Botafogo-SP e acenaram para os jogadores do Pantera que os saudavam do gramado. Apesar da conquista, ninguém tirou onda com a multidão riverina que saía do estádio incrédula após a perda do título. Para eles, só restou o choro de alegria e a certeza de que a viagem para o Piauí valeu a pena. Certamente, não vão esquecer da conquista de um título diante um espetáculo promovido pela torcida piauiense, torcida essa que deu exemplo de como torcer.

CAMPEÃO MORAL
Verdades: o Botafogo-SP teve seus méritos pela taça. Porém, a torcida, elenco e comissão técnica do River-PI merecem aplausos. Não se ganhou o título, mas conquistou de volta a honra de um futebol piauiense que estava no fundo do poço. Como bônus, o orgulho de um povo guerreiro e de face luminosa. Nesta terra, filha do Sol do Equador, o esporte mais popular voltou a brilhar carregado de paixão. Os rostos felizes que antecederam o jogo no Albertão certamente não foram apagados. Daqui em diante os riverinos vão seguir orgulhosos com sua bandeira de glórias na mão.


Por Gustavo Almeida - estagiário do G1 Piauí e participou pela primeira vez de uma cobertura esportiva. Texto supervisionado por Josiel Martins.
Tags: Botafogo - Série D

Fonte: Da redação  |  Publicado por: Da Redação
Comente através do Facebook
Matérias Relacionadas
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade Cerrados Restaurante