Portal NOticias de Uruçui

Hibisco
Ex-presidente da Transpetro

Machado diz que desviou mais de R$ 70 milhões pra cúpula do PMDB

Publicada em 05 de Junho de 2016 às 12h39


Machado desviou mais de R$ 70 milhões Machado desviou mais de R$ 70 milhões O ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, voltou a provocar turbulência no mundo político. Em delação premiada, disse que distribuiu mais de R$70 milhões em propinas em contratos da estatal para a cúpula do PMDB.

» Siga-nos no Twitter
» Participe da comunidade no Orkut

Sérgio Machado foi presidente da Transpetro por 12 anos. Entrou em 2003, no governo Lula, e saiu no ano passado, no governo Dilma - quando a operação Lava Jato já tinha começado.

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal homologou a delação premiada de Machado.

Nos depoimentos ele deu detalhes da distribuição de propina pra políticos do PMDB.

As informações foram divulgadas pelo jornal O Globo e confirmadas pela TV Globo.

Machado disse que repassou para o senador Renan Calheiros R$30 milhões. Pro senador Romero Jucá, aproximadamente 20 milhões. E pro ex-presidente José Sarney também cerca de R$20 milhões. Contou ainda que abasteceu as contas dos senadores Edson Lobão e Jáder Barbalho.

O ex-presidente da Transpetro falou que arrecadava e repassava a propina porque achava que esta era a missão dele. Garantir retorno financeiro ao grupo político responsável pela sustentação dele à frente da empresa.

O padrinho político de Machado foi Renan Calheiros.
Nos depoimentos, Sergio Machado contou que o dinheiro passava por várias pessoas até chegar aos políticos, que em algumas ocasiões era entregue diretamente aos interessados. E que os repasses eram para campanhas eleitorais e para pagar despesas pessoais. Disse também que ajudava a administrar dinheiro em contas bancárias secretas fora do Brasil.

O dinheiro era desviado de contratos firmados entre a Transpetro e grandes empresas.

Um esquema que, segundo próprio Machado, existiu durante os 12 anos em que ele comandou a empresa - que é a maior transportadora de combustíveis do país.

A delação traz também horas de conversas gravadas por Machado. Na semana passada a TV Globo mostrou áudios dele com os senadores Renan Calheiros, Romero Jucá e o ex-presidente José Sarney, discutindo meios pra barrar a operação Lava Jato. Depois da divulgação das conversas, Romero Jucá foi exonerado do Ministério do Planejamento, 12 dias depois de ter assumido a pasta.

Com base nessas acusações de Machado, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pode pedir a abertura de inquéritos ou incluir provas em investigações já abertas.

O presidente do Senado, Renan Calheiros, negou ter recebido os recursos e também negou ter feito indicações para a Petrobras e para o setor elétrico. Renan declarou que sempre teve com Sérgio Machado uma relação respeitosa e de estado.

Os senadores Romero Jucá, Edison Lobão e o ex-presidente José Sarney são representados pelo mesmo advogado. Ele disse que não teve acesso e que não pode comentar uma delação, que é secreta para os citados, mas pública para parte da imprensa. Para a defesa, está divulgação parcial e dirigida tem como objetivo fazer um pré-julgamento.

O senador Jader Barbalho declarou que não fala e nem tem qualquer tipo de relação com Sérgio Machado há quinze anos. Barbalho negou ter recebido favor de Machado e declarou que está à disposição da justiça para verificação da sua conta bancária.

A defesa de Sérgio Machado informou que não vai se manifestar porque a delação premiada está sob sigilo.


Do G1
Tags: Machado - desviou

Fonte: Da redação  |  Publicado por: Da Redação
Comente através do Facebook
Matérias Relacionadas
Publicidade
Publicidade Cerrados Restaurante
Publicidade
Publicidade
Publicidade