Portal NOticias de Uruçui

Clinica ISO topo
Filho de Elmano desistiu

Mesmo antes da posse, secretariado de W. Dias já sofre a primeira baixa

Publicada em 27 de Dezembro de 2014 às 23h50


Secretariado do futuro governador sofre baixa Secretariado do futuro governador sofre baixa Anunciado sob aplausos de um auditório lotado por políticos e jornalistas, o secretariado do futuro governador do Piauí, Wellington Dias(PT), já sofreu sua primeira baixa antes mesmo da posse. Indicado pelo próprio governador para assumir a Presidência da Junta Comercial do Estado, o advogado Leonardo Ferrer, filho do senador eleito Elmano Ferrer que esteve presente na solenidade e até deu entrevistas, não vai mais. Leonardo se desconvidou. No seu lugar, foi convidada e aceitou, a advogada, professora e empresária Alzenir Porto, dona da Auto Escola Servemplac.

» Siga-nos no Twitter
» Participe da comunidade no Orkut

O QUE HOUVE
A saída de Leonardo, foi aconselhada pai, Elamano Ferrer. Ele não fora ouvido quando do convite ao filho. O futuro senador entendeu que a nomeação do filho poderia ser vista como indicação sua. Leonardo é mais um convidado que não aceita compor com o novo governo. Antes, ao menos três pessoas recusaram convite, segundo o próprio governador.

A SUCESSORA
Alzenir Porto é advogada e presidente do PTB Mulher. Foi chefe da Superintendência de Transito de Teresina(STRANS) na gestão de Elmano, de quem, agora, é também, a 2ª suplente no senado. É casada com o empresário Edmilson Porto, presidente do Jockey Clube do Piauí.

A FARRA DOS SUPLENTES
A posse do governador Wellington Dias vai promover a maior enxurrada de suplentes da história política do Piauí. Com dois detalhes. 1º, vai promover a dança das cadeiras na Câmara Municipal, Câmara Federal e Assembleia. 2º, abre espaço até para adversários.

13 SUPLENTES
A convocação de uma vereadora e de deputados abrirá espaço para 13 suplentes. Na Assembleia, serão empossados, o suplente do suplente até chegar ao 9º suplente. Na Câmara Federal, pela primeira vez, um suplente assume e, em seguida sai para entrar outro suplente.

ACORDO BENEFICIA ADVERSÁRIO
Um acordo entre o governador e o prefeito da capital, vai possibilitar o retorno a Assembleia de dois suplentes que são da coligação do candidato derrotado Zé Filho(PMDB). O governador chama um deputado da oposição, Gessivaldo Isaias e entra o 1º suplente Antônio Félix.

A 2ª SUPLENTE
Para assumir a 2ª suplente da oposição, (ela votou em Wellington Dias), no caso a deputada Belê Medeiros(PSB), o prefeito de Teresina vai convocar para a secretaria de Administração o deputado Luciano Nunes(PSDB). Faz parte da parceria (política) entre governo e prefeitura.

AOS NAVEGANTES
Aos que não entendem, a coluna esclarece: só uma suplente da legislação passada vai assumir a Assembleia dia 1º de janeiro, cujo mandato será curto e termina dia 31 do mesmo mês. Trata-se, da professora universitária Elza Bucar(PDT) no lugar de Margareth Coelho(PP).

JÁ RENUNCIOU
Margareth que foi eleita vice governadora, informa um assessor seu, já assinou a carta renuncia e entregou ao presidente da Assembleia com data do dia 31 de dezembro. Naquele dia, a Mesa da Assembleia fará o assentamento da renuncia e dará posse a Elza Bucar.

QUEM ASSUMIR ANTES DA POSSE PERDE O MANDATO
Anote aí, deputado eleito ou reeleito, seja federal ou estadual, que assumir secretaria neste ou no futuro governo, antes da posse do novo mandato dia 1º de fevereiro perde o mandato automaticamente. É o que diz o ar. 54 da constituição federal e 66 da constituição estadual.

SUPLENTES NÃO
Essa regra não se aplica aos suplentes, visto que, não são efetivos. A suplência é apenas uma expectativa. Agora, no dia em que forem convocados pela Assembleia, terão que renunciar a secretaria, assumem e depois retornam ao executivo. Caso contrário, perdem o mandato de suplente.

FALÊNCIA
Não demora, os americanos vão acabar pedindo a falência da Petrobrás. Nesta 6ª feira, a cidade de Providence entrou com a Ação coletiva na Justiça de lá, denunciando calote de U$$ 81 bilhões da estatal brasileira. Essa mesma cidade fez isso com a máfia italiana e se deu bem.

HOMENAGEM
Em Caxias, a Câmara aprovou lei que obriga o uso de detector de metais, em todas as repartições do município. É a ?lei Loane Maranhão? para evitar o que houve com a escrivã piauiense Loane Maranhão Thé, morta a facadas dentro de uma Delegacia.
Tags: secretariado - W. Dias

Fonte: 180graus  |  Publicado por: Da Redação
Comente através do Facebook
Matérias Relacionadas
Publicidade
Publicidade Cerrados Restaurante
Publicidade
Publicidade
Publicidade